Passivo Circulante – Entenda sobre as contas obrigatórias da empresa

Classificado como uma noção fundamental da economia, o passivo circulante é essencial para promover uma gestão financeira ordenada.

Além do passivo, há também o ativo, que é um princípio importante para conhecer e organizar as contas e obrigações financeiras do empreendimento.

Leia também “Balanço Patrimonial: O que é, para que serve e como elaborar” para aprender mais sobre os recursos do seu empreendimento.

Neste post, você vai entender qual é o papel do passivo circulante e como ele é essencial para organizar uma gestão financeira mais eficiente em sua empresa.

O que é passivo circulante

Basicamente, o passivo circulante diz respeito às obrigações financeiras do empreendimento.

Entretanto, apenas são classificadas como parte do passivo circulante as dívidas que possuem uma data de vencimento de até 12 meses.

Sendo assim, o objetivo é que essas contas sejam pagas com o ativo circulante, que representa os recursos da empresa que podem ser movimentos a curto prazo.

O capital de giro, por exemplo é um ativo circulante que pode ser designado a liquidar as contas a curto prazo da empresa.

Podem ser classificados como passivos circulantes os pagamentos referentes aos funcionários, como férias, salários e benefícios.

Além disso, outras contas cíclicas da empresa como impostos a recolher, aluguel e até mesmo o pagamento de fornecedores também entra na categoria.

Quais são as obrigações com funcionários

Como mencionamos anteriormente, os pagamentos referentes à remuneração e encargos sociais dos funcionários também podem ser considerados como passivo circulante.

Geralmente, quando relacionadas aos empregados, as contas são mensais, como as remunerações.

Entretanto, existem pagamentos que são um pouco mais espaçados, como as férias e o 13º salário. Ainda assim, eles se encaixam na data estipulada pela categoria.

Entenda mais sobre as obrigações financeiras relacionadas à equipe, principalmente para organizar e priorizar os pagamentos do passivo circulante na gestão financeira.

– Salários

O salário é o pagamento referente ao trabalho realizado pelo trabalhador durante um determinado período. Ele pode ser dividido entre duas parcelas: o pagamento e o adiantamento.

No caso dos mensalistas, o salário deve ser pago até o 5º dia do mês. Já quinzenalistas e semanalistas, devem ser pagos até o 5º dia após o fechamento do período de trabalho.

O pagamento deve ser feito no local de trabalho e dentro do horário de atuação do empregado, para que ele possa assinar a documentação e sinalizar que está ciente do valor recebido.

O valor pago é combinado entre ambas as partes na contratação do funcionário, mas aumentos podem ocorrer ao longo do tempo de contribuição.

– Férias

Após 12 meses de trabalho, o funcionário tem direito às férias, que consistem em um período de descanso remunerado de 30 dias.

O pagamento das férias é calculado sobre o salário do trabalhador, já que é pago uma remuneração completa, com um adicional de um terço do valor.

As férias devem ser pagas ao menos 2 dias antes do período de descanso do trabalhador.

Além disso, o trabalhador também pode vender parte das férias e recebê-las em dinheiro, reduzindo o prazo de descanso.

– 13 salário

Assim como no caso das férias, o pagamento do décimo terceiro salário não é uma conta recorrente mensalmente, mas sim anualmente.

O valor de pagamento do décimo terceiro é proporcional aos meses trabalhados pelo funcionário até o fim do ano.

Por exemplo, um empregado é contratado em maio, tem direito a 7/12 do salário integral, já que é pago 1/12 a cada mês trabalhado.

O décimo terceiro deve ser dividido em duas parcelas. A primeira pode ser paga entre 1 de fevereiro e 30 de novembro, enquanto a segunda parcela possui a data limite de 20 de dezembro.

Obrigações tributárias

Passivo circulante - obrigações tributárias
As obrigações financeiras classificadas como passivos circulantes são variadas.

As obrigações fiscais da empresa são referentes ao pagamento de tributos aos diferentes órgãos públicos, com a intenção de manter o funcionamento da empresa de acordo com as leis.

Cada um dos tributos possui normas e valores diferentes, portanto, é importante manter as contas separadas e organizadas.

A maioria dos tributos é calculado sobre o faturamento e os lucros da empresa, como Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).

Para as empresas optantes pelo Simples Nacional e também microempreendedores formalizados como MEI, o pagamento é um pouco mais fácil, já que a maioria dos tributos é pago por meio de um único documento, o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional).

Imposto Recolhimento Se não cai em dia útil
Simples Nacional Até o dia 20 Posterga para o 1º dia útil posterior
INSS Até o dia 20 Antecipa para o 1º dia útil anterior
IPI Até o dia 25 Antecipa para o 1º dia útil anterior
Cofins Até o dia 25 Antecipa para o 1º dia útil anterior
PIS Até o dia 25 Antecipa para o 1º dia útil anterior
CSLL Até o último dia do mês Antecipa para o 1º dia útil anterior
IRPJ Até o último dia do mês Antecipa para o 1º dia útil anterior
IRRF Até o dia 20 Antecipa para o 1º dia útil anterior

 

Leia também:  5 dicas para o Bom Controle financeiro

Obrigações com fornecedores

Tanto a compra de bens e matérias-primas quanto a contratação de serviços de terceiros devem ser contas consideradas como passivos circulantes.

No lançamento do fluxo de caixa, é importante informar o máximo de detalhes sobre a compra ou contratação, como o nome do fornecedor, o produto que foi comprado, etc.

Com a ajuda do controle de estoque, por exemplo, a organização das contas relacionadas à reposição de produtos e matéria se torna muito mais simplificada.

Caso a empresa trabalhe com fornecedores nacionais e internacionais, é importante separar ambos e também manter registro dos impostos sobre as compras internacionais.

Obrigações com Instituições financeiras

Contas como financiamentos e empréstimos, que são feitas com o propósito de colocar em ação um projeto para o funcionamento e crescimento da empresa, são classificadas como passivos circulantes.

Geralmente, os pagamentos das parcelas referentes a estas contas são incrementadas com juros e taxas, que também devem ser registradas no fluxo de caixa.

As notas explicativas são os documentos especializados em registrar os detalhes e informações referentes aos empréstimos e financiamentos da empresa.

Outras obrigações

Além das principais e mais conhecidas obrigações financeiras da empresa, existem outras contas que devem ser contabilizadas como passivos circulantes.

Desde que encaixem no prazo, toda e qualquer conta é classificada como passivo circulante e deve ser documentada como tal.

Principalmente, para organizar e priorizar o pagamento das obrigações, direcionando os recursos corretos para manter o fluxo de caixa em ordem.

– Juros

Como mencionamos anteriormente, o pagamento de empréstimos e financiamentos costumam vir acompanhados de juros.

Tanto pelo atraso do pagamento ou pelos parâmetros da instituição financeira escolhida, os juros costumam variar e precisam ser documentados com cuidado para manter as finanças em ordem.

É importante anotar a porcentagem de cobrança de cada taxa de juros para tentar prever os gastos futuros nesta categoria de passivo circulante.

– Aluguel

O aluguel de ambientes e equipamentos é classificado como uma conta cíclica, que precisa ser paga regularmente para manter o funcionamento da empresa.

Geralmente, o aluguel é pago mensalmente e se enquadra nos requisitos do passivo circulante.

Sendo assim, é preciso ordenar as contas referentes aos aluguéis e também marcar a prioridade da obrigação financeira, já que ela é importantíssima para o espaço físico do empreendimento.

– Variações monetárias ativas a vencer

As variações monetárias consistem em mudanças nas obrigações financeiras da empresa, por meio de transformação de taxas de câmbio e crédito, por exemplo.

Por ser uma conta originada de uma transformação, é preciso estar sempre de olho nas variações e atualizar os valores na gestão financeira.

Se possível, é interessante deixar uma “folga” no orçamento para cobrir as eventuais variações que podem elevar o valor a ser pago na data de vencimento.

– Comissões ativas a vencer

O termo “a vencer” costuma dizer respeito às contas que podem ser antecipadas, aumentando o poder de crédito do empreendedor.

Sendo assim, este é um tipo de obrigação financeira que deve ser contabilizado separadamente e com o máximo de detalhes.

As informações são importantes para determinar a prioridade da conta e entender quão importante ela é em comparação às outras.

Principalmente se ocorrer um momento em que nem todas obrigações possam ser pagas dentro do prazo.

– Lucros a distribuir

A distribuição de lucros consiste no cálculo dos ganhos da empresa e a divisão dos lucros entre os sócios da empresa.

A conta é recorrente, mas pode variar de acordo com o que a empresa gerou dentro de um determinado período.

A distribuição é livre da cobrança de impostos, o que é um detalhe que precisa ser levado em consideração no lançamento da conta como passivo circulante.

– Outras contas a pagar

Como mencionamos anteriormente, toda e qualquer conta que tenha o vencimento de até 12 meses pode se classificar como passivo circulante.

Sendo assim, a variedade de contas que podem ser classificadas como passivos circulantes é extensa.

A chave para entender quais obrigações financeiras do ciclo operacional da empresa fazem parte da categoria ou não é manter um registro organizado dos movimentos de recursos. De preferência, com o auxílio de um programa de gestão financeira.

Créditos entre sócios, acionistas, etc

É comum que ocorram empréstimos entre sócios, principalmente para promover ações de expansão e crescimento na empresa.

Assim como um pagamento para as instituições financeiras ou fornecedores, é preciso contabilizar o crédito que deve ser pago ao sócio ou acionista que contribuiu de alguma forma.

Tudo depende do acordo entre ambas as partes para realizar o pagamento. Antes de firmar o acordo, é importante consultar os relatórios financeiros e descobrir quanto a empresa pode disponibilizar para pagar a conta sem comprometer outras obrigações financeiras.

Geralmente, o pagamento é dividido em parcelas, uma modalidade que cabe dentro do prazo de passivo circulante e pode ser incluída no relatório.

Diferença entre passivo circulante e não circulante

Passivo Circulante - Diferença
Os passivos circulantes e não circulantes possuem diferentes prazos de vencimento.

A grande diferença entre o passivo circulante e o não circulante é a data de vencimento da obrigação financeira.

Enquanto as contas que vencem em até 12 meses são classificadas como circulantes, as dívidas que ultrapassam este prazo podem ser chamadas de passivos não circulantes.

O número de contas que é listada como não circulante costuma ser bem menor, já que o pagamento a longo prazo não é feito com tanta frequência.

Parcelamentos e financiamentos de grandes compras e valores que possuem mais de 12 parcelas são passivos não circulantes muito comuns.

Passivo circulante operacional

Existem algumas categorias dentro do passivo circulante que buscam especificar ainda mais as contas, separando-as em categorias, para facilitar a organização e priorização dos pagamentos.

Leia também:  O papel do sistema de contas a pagar na gestão financeira

A modalidade operacional cobre todo o tipo de conta que está relacionada ao funcionamento da empresa.

Por exemplo, o pagamento dos funcionários, dos impostos e até mesmo das compras com fornecedores são passivos circulantes operacionais.

Passivo circulante financeiro

Por outro lado, o passivo circulante financeiro diz respeito às contas relacionadas aos valores monetários movimentados pela empresa.

Um empréstimo, mesmo entre sócios, por exemplo, pode ser adicionado à categoria.

É recomendado que cada modalidade de circulante seja paga com os recursos ganhos em sua categoria.

Por exemplo, os passivos financeiros devem ser liquidados com os ganhos provenientes de aplicações e investimentos.

Enquanto isso, os passivos operacionais podem ser pagos com os ganhos das vendas e prestação de serviços.

Passivo circulante cíclico

Os passivos cíclicos abrangem as contas que são frequentes e costumam se repetir regularmente.

Geralmente, a categoria é relacionada aos passivos operacionais, já que são obrigações financeiras praticamente fixas e pagas mensalmente ou a cada determinado período de tempo.

Obrigações financeiras que não são tão comuns ou não precisam ser renovadas, como empréstimos e financiamentos, estão fora da categoria.

Tipos de passivos

Além das subcategorias de organização para o passivo circulante, existem ainda outros tipos de passivos que podem auxiliar a refinar os lançamentos financeiros da sua empresa.

A gestão financeira conta com diversas categorias especialmente para trazer relatórios mais específicos e também para garantir que os recursos da empresa sejam gerenciados da melhor forma possível.

Se você está interessado em melhorar ainda mais o seu sistema de contabilidade, entenda mais sobre os diferentes tipos de passivos na lista abaixo!

– Passivo exigível

As contas classificadas como passivo exigível são aquelas relacionadas a terceiros, como fornecedores e parceiros.

Enquanto o passivo circulante é conhecido como exigível a curto prazo, o não circulante também pode ser classificado como exigível a longo prazo.

A classificação leva o nome já que, por ser relacionada a outro empreendedor ou instituição, pode levar a cobranças e exigências em caso de atraso, por exemplo.

– Passivo não exigível

Diferente do exigível, este tipo de passivo contabiliza os recursos e os investimentos feitos pela empresa. Sendo assim, é uma conta de Patrimônio Líquido.

Já que as contas não estão relacionados a terceiros, mas sim dentro da própria empresa. Esta obrigação financeira não tem natureza de conta a pagar, mas sim de registrar os recursos do empreendimento.

Dentro do balanço patrimonial, a categoria é tão importante e essencial quanto passivo exigível, especialmente para conhecer o verdadeiro lucro da empresa.

– Passivo descoberto

O passivo descoberto é aquele que deve ser extremamente evitado por todos empreendedores.

Ele representa os valores e contas que ultrapassam os ativos, ou seja, se transformam em dívida e ultrapassam a data de vencimento.

A expressão “patrimônio líquido negativo” também pode ser utilizada para se referir ao valor, já que representa um prejuízo da empresa.

Tanto pela falta de pagamento e obtenção de juros ou pela solicitação de empréstimo para cobrir as contas pendentes, o empreendedor acaba gastando mais do que o devido para resolver o problema.

– Passivo fictício

O passivo fictício também não se trata de um dado comum ou necessariamente positivo. Na verdade, ele representa uma obrigação financeira que consta no balanço patrimonial, mas que já foi paga.

Leia também:  Como sua empresa pode reduzir custos operacionais?

Geralmente, o passivo fictício surge por conta da falta de registro da quitação da dívida, o que faz com que ela permaneça no relatório mesmo após ser paga.

Por outro lado, o passivo também pode ocorrer caso não sejam anexados documentos suficientes para comprovar a natureza da conta.

De qualquer forma, é um erro que pode ser evitado com uma atenção maior aos lançamentos, ou até mesmo a automatização do processo.

– Passivo de exercícios futuros

Quando uma conta é cobrada antes do previsto ou o empreendedor resolve antecipar um pagamento, ele é nomeado como passivo de exercícios futuros.

Por exemplo, caso a empresa note que possui recursos para aceitar uma proposta de adiantamento do aluguel com o desconto, o pagamento deste acordo é classificado nesta modalidade de passivo.

Equilíbrio entre ativos e passivos

Como mencionamos anteriormente, os passivos são contas que devem ser pagas com os recursos gerados pelos ativos.

Sendo assim, ambos registros financeiros precisam estar em equilíbrio. Antes de fazer qualquer compra ou contratação, é preciso consultar o fluxo de ativos da empresa, para compreender se é possível cobrir a nova conta ou não.

Todo o processo de análise dos ativos e passivos se torna mais ativo com o auxílio de um programa de gestão financeira.

O software automatiza todo o processo, otimizando o tempo de trabalho da equipe e reunindo todos os dados financeiros em um único local.

O BomControle desenvolveu uma ferramenta completa para atender as necessidades da sua empresa e transformar a rotina dos funcionários.

Aposte no teste gratuito de 15 dias para entender como o programa pode auxiliar a documentação das suas finanças.

Conclusão

Passivo Circulante - Conclusão
O passivo circulante possui a missão de organizar as contas a pagar da empresa.

Com tudo, é possível perceber que o passivo circulante diz respeito às contas da empresa que devem ser pagas a curto prazo.

Dentro da categoria, costuma estar a maior parte das obrigações financeiras do empreendimento, incluindo contas que são essenciais para o funcionamento do negócio.

Leia também:

Agora que você entende a importância do passivo circulante, está pronto para organizar seus ativos e passivos de forma mais efetiva? Compartilhe suas dúvidas e opiniões nos comentários!

 

 

 

 

Envie ou compartilhe este artigo