Como a organização dos dados e a gestão financeira impactam diretamente na redução de inadimplência?

Com mais de 15 anos atuando no segmento de cobranças, pudemos desmitificar uma coisa:

Nem sempre a falta de dinheiro é a causa da inadimplência.

São diversos fatores que impactam diretamente nesses índices, desde a qualidade dos serviços até o esquecimento por parte desses clientes.

Percebemos que muitos empresários deixam de lado a organização desses dados, mesmo porque não é fácil manter uma rotina no empreendedorismo.

Acabamos dando prioridade para as emergências e as tarefas chatas de controle acabam ficando em segundo plano.

Qual a consequência disso?

São diversas, mas a que viemos tratar hoje é justamente a inadimplência.

Por que manter os dados em dia impacta na redução de inadimplência?

Ora, se falamos que uma das causas é justamente o esquecimento, a empresa precisa manter uma comunicação regular sobre as datas de vencimento e faturas em aberto.

Para que se atinja essa regularidade, é preciso primeiramente saber exatamente quais clientes consomem o que e quando.

Frequentemente nos deparamos com empresas que percebem a falta de pagamento somente um ou até dois meses depois do vencimento, justamente pela falta de controle.

Com isso perde-se um dos pilares da boa cobrança: a tempestividade.

Tempestividade é atuar no momento oportuno e justamente nos primeiros 30 dias é a melhor janela de tempo para recuperar um cliente inadimplente.

Descobrir uma parcela em atraso somente 60 ou até mesmo 90 dias depois mata sua melhor chance de assegurar a contraprestação pelo seu serviço ou produto.

Ok, estou convencido. O que devo fazer para manter o controle sobre a minha empresa?

Ótimo, o primeiro passo para sanar um problema é justamente esse: reconhecer que ele existe.

Existem diversas formas de fazer essa organização de dados, vamos abordar as duas principais:

 

  1. Planilhas
    Planilhas vêm funcionando muito bem com a gestão dos seus dados. O único inconveniente é que dão um certo trabalho para estruturá-las e para implementar na sua equipe a rotina de utilização.

Aqui no blog tem um texto muito bacana que trata sobre os benefícios e limitações de uma planilha de controle financeiro, vale a pena dar uma conferida na sequência.

 

  • SIstema de Controle Financeiro

 

A forma mais escolhida pelos empresários para gestão financeira. Além da facilidade para começar a usar, esses sistemas apresentam diversas funcionalidade que vão além da gestão financeira. 

Do controle de futuros clientes, suporte, vendas, processos e até gestão de estoque.

Com isso você tem um controle completo sobre a sua empresa.

Interessante pra você: sistema de controle financeiro bom controle.

 

Leia também:  O papel do sistema de contas a pagar na gestão financeira

Certo, mas e se minha empresa já sofre com a inadimplência. O que fazer?

Bom, nesse caso é importante tomar duas ações em paralelo.

A de remediar o problema existente e a profilaxia(as medidas de prevenção).

Acho que já conversamos bastante sobre as medidas preventivas né?

Quanto à solução do problema, você pode iniciar os contatos internamente mesmo. 

Até fizemos um texto com as 10 técnicas para se fazer uma boa cobrança, é um bom ponto de partida para treinar sua equipe e tomar as primeiras medidas.

Geralmente nos primeiros 30 a 60 dias é recomendado fazer isso internamente, para que se mantenha o relacionamento e não acabe assustando o cliente desnecessariamente.

Quando esse prazo é ultrapassado, provavelmente algo aconteceu.

O cliente não está propenso a pagar e cabe a você decidir o que fazer, se mantém investindo tempo e dinheiro para recuperá-lo ou conta com um serviço terceirizado e especializado de cobranças.

O mercado de cobranças não atua com pequenas e médias empresas, o que vinha dificultando o acesso a esse tipo de serviço.

A Monest surge exatamente com a proposta de quebrar essa barreira e se posiciona como o braço direito em cobranças para as pequenas e médias empresas que sofrem com inadimplência.

Além de recuperar seu dinheiro, atuamos de forma amigável e focada em restabelecer o relacionamento com esse cliente, de modo a trazê-lo de volta à sua empresa.

(Matéria produzida pela equipe de redação do Blog Monest)

Envie ou compartilhe este artigo
Complemente sua leitura