Como funciona o Pró-Labore – a remuneração dos sócios

como funciona o pro labore

Pró-labore, termo em latim que significa “pelo trabalho”, é a remuneração de sócios de uma empresa ou profissional liberal, sobre o qual também se deve recolher o percentual para INSS, sendo 11% para empresas do Simples Nacional e 31% para Lucro Presumido.

O pró-labore é muito importante na carreira dos administradores de negócios. Essa é a remuneração dos sócios, gestores ou profissionais que possuem funções administrativas na empresa.

Ele é bem diferente do salário, pois não possui as mesmas regras da CLT. Como é um acordo feito entre sócio e empresa, o pró-labore pode ter diversos detalhes que precisam ser combinados previamente, como, por exemplo, o pagamento ou não de FGTS.

Pró-labore também é diferente da divisão de lucros ou dividendos de uma empresa. Essa remuneração corresponde ao trabalho realizado pelo profissional e não aos juros do capital investido na empresa.

Ou seja, é o dinheiro que o sócio recebe pelo seu trabalho e não pelo seu investimento no negócio.

Para entender mais sobre lucro real e lucro presumido, você pode ler esse outro artigo completo que preparamos para você.

É fundamental calcular e pagar o pró-labore, não somente para remunerar os sócios administradores, mas também para conhecer o custo real da empresa, principalmente em negócios pequenos.

Boa leitura!

Sistema de Gestão Integrada

Automatize as atividades dos departamentos da sua empresa de forma integrada e eficiente

Conheça agora!

TESTE GRÁTIS

O que é Pró-Labore

o que e pro labore
O pró-labore é uma obrigatoriedade em empresas que dividem lucros.

Um sócio pode ser remunerado pela divisão de lucros, juros sobre capital próprio e/ou pelo pagamento de pró-labore.

Assim, pró-labore é o pagamento realizado a sócios e/ou gerentes por seu trabalho. Esse valor normalmente corresponde ao salário de um administrador.

Esse termo, de origem do latim, significa “pelo trabalho”. Assim, sócios que não trabalham na empresa normalmente não recebem o pró-labore.

Nestes casos, eles ganham com a divisão de lucro e dividendos do negócio, de acordo com a sua participação, mas não recebem nenhum pagamento pelo trabalho, já que não atuam diretamente na empresa.

Algumas empresas definem o valor do pró-labore acima do que seria pago a um funcionário com as mesmas competências e isso é um erro.

O pagamento deve ser próximo ao que se pagaria para um empregado realizar as mesmas funções. É antieconômico ter uma despesa sem necessidade apenas porque possui um sócio envolvido.

Afinal, o pró-labore é considerado uma despesa administrativa comum e deve ser justa como qualquer outra para manter a saúde do negócio.

Por outro lado, esse valor deve ser suficiente para o sócio viver com tranquilidade, de acordo com suas atribuições diárias.

Quem é responsável por seu cálculo

Todo sócio administrador deve ter um pró-labore compatível com suas funções e responsabilidades, mas que leve em consideração as particularidades da sua empresa, como condições econômicas, por exemplo.

Então, esse valor deve ser calculado pelos próprios sócios, em conjunto com o contador, para chegar a um valor justo para a empresa e para o administrador.

Quem tem direito a receber o Pró-Labore

Como dito, quem recebe essa remuneração são os sócios administradores.

Em outras palavras, são os empreendedores que investiram dinheiro na criação do negócio e exercem alguma função ativa nele, trabalham diretamente na empresa.

Assim, esses sócios devem ganhar o pró-labore, além de receberem a divisão dos lucros e dos juros sobre o capital investido.

Como já foi mencionado anteriormente, sócios que não atuam na empresa não devem ganhar o pró-labore.

A importância de incluir o Pró-Labore nas contas da empresa

É comum que os sócios, no começo de um negócio, “doem” o seu trabalho, já que a empresa ainda não possui capital o suficiente para pagar um salário de administrador.

No entanto, isso é contra a lei se a empresa já divide lucros. A empresa deve remunerar os sócios que trabalham na operação e contribuir para a previdência.

Pode parecer um bom negócio não ter pró-labore e retirar o lucro da empresa como remuneração, afinal ele é isento de INSS e Imposto de Renda para Pessoa Física.

Esse é um erro. A Receita Federal já se manifestou sobre esse tema:

“Pelo menos parte dos valores pagos pela sociedade ao sócio que presta serviço à sociedade terá necessariamente natureza jurídica de retribuição pelo trabalho, sujeita à incidência de contribuição previdenciária”.

Assim, se o sócio atua na empresa, é muito importante ter um pró-labore, caso contrário há o risco do fisco multar o negócio.

Além disso, contar com um pró-labore é saudável para realmente entender quanto custa todo o trabalho realizado na empresa. Afinal, o esforço do administrador tem um valor que também precisa ser contabilizado nos custos mensais.

O pró-labore também evita um erro clássico na administração de um negócio. Muitos gestores retiram dinheiro do caixa para pagar contas pessoais e acabam “misturando” o orçamento pessoal com o da empresa.

Normalmente, esse empresário não possui o controle total das finanças e pode gerar um rombo nas contas do negócio, justamente por não ter definido um pró-labore adequado.

Então, nem pense em usar os cartões de crédito da empresa e outros recursos. Isso atrapalha a performance do negócio e não deixa claro o quanto realmente é lucro e o quanto é custo.

– Como registrar o Pró-Labore

O valor a ser pago deve ser formalizado no Contrato Social para que tenha validade jurídica no direito trabalhista.

Leia também:  Por que é importante conseguir o Capital Social?

Já nos livros da empresa, o pró-labore deve ser registrado como despesa operacional ou administrativa, na conta de Honorários da Diretoria, ou mesmo na conta Salários da Administração.

Em outras palavras, o pró-labore deve constar na folha de pagamento como qualquer outro pagamento.

Por ser diferente do salário de um funcionário, o sócio administrador não recebe um Holerite.

Então, caso o sócio ou administrador precise comprovar renda ou contribuição para o INSS, o contador do negócio deve gerar uma declaração de pró-labore como comprovante.

Diferenças entre Pró-Labore e salário

De forma resumida, o salário de qualquer funcionário segue as leis trabalhistas, seus direitos e encargos. Apenas os encargos básicos podem onerar a folha de pagamento em mais de 45% ao mês.

Não é sem motivo que o Brasil possui uma das mais altas cargas tributárias em salários do mundo.

Por outro lado, o pró-labore não segue essas normas. Ele pode conter benefícios a combinar entre empresa e administrador, como o FGTS e o décimo terceiro. O único encargo trabalhista realmente obrigatório sobre o pró-labore é o INSS.

Essencialmente, são duas coisas completamente diferentes. O salário é para funcionários e o pró-labore é para sócios administradores ou administradores.

No entanto, o pró-labore deve equivaler ao pagamento de um funcionário que realizaria o mesmo trabalho de um sócio.

Nem sempre é fácil mensurar o trabalho de um sócio administrador que faz de tudo pelo sucesso do seu negócio.

Mesmo assim, tudo isso deve ser considerado e, por essa razão, é bastante recomendável contar com um profissional externo, como o seu contador, para ajudar a chegar a um valor justo.

Como funciona o Pró-Labore (normas)

como funciona o pro labore
O Pró-Labore funciona de forma simples: é apenas o pagamento pelo trabalho realizado.

Ele funciona de forma simples. O sócio administrador trabalha e tem direito a receber uma remuneração por isso.

Como mencionado, o pró-labore é uma obrigatoriedade para todos os sócios que trabalham na empresa.

Essa remuneração deve ser justa, seguindo a média de mercado para administradores.

Veja mais detalhes abaixo:

Obrigatoriedade

O pró-labore é obrigatório para sócios administradores, definido no Decreto 3.048/99 – Regulamento da Previdência Social.

O sócio administrador ou cotista, titular de empresa individual ou EIRELI, que trabalhar na sociedade, é classificado como “contribuinte obrigatório” da Previdência Social. (Art.12 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991). ]

Sobre esta remuneração deve ser recolhido a contribuição previdenciária, de acordo com o regime fiscal adotado pela empresa.

Segundo a Lei:

Art. 9º São segurados obrigatórios da previdência social as seguintes pessoas físicas:

  1. o titular de firma individual urbana ou rural;
  2. o diretor não empregado e o membro de conselho de administração na sociedade anônima;
  3. todos os sócios, nas sociedades em nome coletivo e de capital e indústria;
  4. o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração decorrente de seu trabalho e o administrador não empregado na sociedade por cotas de responsabilidade limitada, urbana ou rural.

Valor mínimo e máximo

Não existe um valor determinado pela Lei. Cabe aos sócios do negócio determinarem um valor, de preferência com o auxílio de um contador (Art.152 da Lei 6.404/76).

Só há uma norma a ser respeitada: o pró-labore não pode ser inferior ao salário mínimo vigente.

É importante reforçar que o pró-labore deve respeitar o valor que a empresa pagaria caso fosse um funcionário a desempenhar o mesmo papel. Ou seja, o salário de mercado.

Portanto, apesar de não existir um valor máximo, é importante que a empresa verifique os salários praticados no mercado, e busque um pró-labore que fique de acordo com essa realidade, sendo justo para a empresa e para o administrador.

Variáveis do Pró-Labore

Para calcular o pró-labore ideal, você precisa considerar algumas variáveis. Elas servirão como guias na hora de definir os valores que cada sócio receberá por seu trabalho na empresa.

Ao entender que sobre o pró-labore tanto sócio quanto empresa pagarão impostos que incidem sobre esse valor, muitos optam por receber, por exemplo, um salário mínimo. Mas essa prática é perigosa e desaconselhável.

Não somente pelos riscos fiscais, mas também porque a análise da lucratividade da empresa ficará mascarada.

Por isso, o ideal é que cada sócio que trabalha na empresa receba um salário correspondente com a atividade, calculado sobre uma média de mercado, que você pode descobrir através de pesquisas simples.

Assim, você tem um pró-labore realista, que permitirá uma gestão financeira da sua empresa com muito mais transparência, evitando análises e entendimentos distorcidos.

Pró-Labore pelo INSS

Como dito, ao tirar o pró-labore, empresas optantes pelo Simples Nacional devem colaborar com 11% para o INSS, independente do valor, respeitando-se o teto de contribuição.

Isso serve como proteção para os próprios sócios. No INSS, a pessoa já possui um seguro desde a primeira contribuição, diferente de um plano de previdência privada – o que é uma vantagem.

Além dos 11% do INSS, em empresas não optantes do SIMPLES Nacional, a legislação previdenciária determina que a empresa deverá contribuir com mais 20% sobre o valor do pró-labore, totalizando uma retenção de 31% do valor.

Como calcular o Pró-Labore

como calcular o pro labore
Calcule o Pró-Labore com base em uma pesquisa de salários praticados no mercado.

Muitas pessoas possuem dúvidas sobre como calcular o pró-labore. No entanto, a lógica é bem fácil de entender.

Você deve seguir um passo a passo e ser racional para chegar a um valor junto a empresa e aos sócios administradores.

O primeiro passo é definir quais são as atividades rotineiras que o sócio em questão realiza no negócio. Ou seja, qual é a função que esse sócio exerce.

Leia também:  5 dicas de vendas para o Dia dos Namorados

Então, faça uma pesquisa de mercado para saber qual é a média salarial que um profissional cobraria para realizar as mesmas atividades do sócio, com o mesmo nível de responsabilidade.

Após isso, você deve definir o valor a ser pago no pró-labore baseado na média do mercado.

Esse valor deve ser considerado na contabilidade da empresa todo mês, como qualquer outro salário.

Não esqueça de formalizar esse acordo no Contrato Social do negócio.

Sistema de Gestão Integrada

Automatize as atividades dos departamentos da sua empresa de forma integrada e eficiente

Conheça agora!

TESTE GRÁTIS

Pró-Labore do Simples Nacional

As empresas do Simples Nacional possuem algumas diferenças no Pró-Labore.

Não existe nenhum custo para empresa porque não há contribuição patronal. Por outro lado, há custo para o Sócio.

Neste caso, é retido na fonte ou deduzido do valor bruto 11% de INSS e o IR de acordo com a tabela progressiva da Receita Federal.

Porém, empresas com atividades enquadradas no Anexo IV do Simples Nacional, estão obrigadas ao recolhimento do INSS patronal (20%) através da GPS, em conjunto com a parte descontado (11% no caso de sócios), totalizando 31% de recolhimento.

Este entendimento baseia-se na Lei Complementar n° 147/14 para as empresas enquadradas no anexo IV da LC n° 123/06 que estão obrigadas ao recolhimento da contribuição previdenciária patronal previsto no artigo 22 da Lei n° 8.212/91.

Pró-Labore do Lucro Presumido

Já as empresas do Lucro Presumido possuem um encargo social, ou seja, há um custo para a empresa de 20% sobre o valor do Pró-Labore.

E há o mesmo custo para o Sócio: é retido na fonte ou deduzido do valor bruto 11% de INSS e o IR de acordo com a tabela progressiva da Receita Federal.

Para pró-labores acima de R$ 1.903,98, é realizado um desconto de IR na fonte, aumentando o custo mensal. Você pode conferir quais são as faixas na Tabela do IR.

Pró-Labore de MEI

Microempreendedores individuais também devem receber Pró-Labore, contribuindo ao INSS com o percentual mínimo de 5%.

A contribuição é descontada juntamente com o boleto pago para enquadramento ao programa, não sendo preciso gerar uma guia específica para isso.

Porém, essa regra só é válida caso a empresa não tenha nenhum funcionário vinculado à ela, sendo atuante no negócio, portanto, somente o microempreendedor.

Como comprovar renda de Pró-Labore

Como o pró-labore não é a mesma coisa que salário, o sócio administrador não recebe um holerite ou contra-cheque de pagamento, como acontece com os demais funcionários.

Por isso, muitas pessoas ficam em dúvida sobre como poderão comprovar a renda, já que não possuem folha de pagamento assinada.

Para o caso do Pró-Labore, existe um outro documento que é aceito como comprovante de renda, e que deve ser preparado por um contador. Vamos falar sobre ele na sequência.

Comprovante de renda do Pró-Labore

Muitas instituições financeiras pedem comprovantes de renda. Para funcionários, serve o seu holerite de pagamento. Mas como um sócio pode comprovar sua renda se ele não tem holerite?

Simples. Ele usa o Comprovante de Renda do Pró-Labore. Esta é a Decore (Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos).

Ela só pode ser emitida por profissionais de contabilidade habilitados. Também só valerá caso tenha o selo DHP – Declaração de Habilitação Profissional – afixado ou impresso no corpo do documento.

Este selo é fornecido e também controlado pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC) da região em que o responsável por sua elaboração é registrado, personalizado com seu nome, seja por meio impresso ou digital.

Declaração de Pró-Labore – Modelo

A declaração de Pró-Labore, conhecida como DECORE, é o documento de validade contábil que comprova os rendimentos dos sócios administradores de uma empresa.

Apesar de ser bastante similar a um recibo comum, o DECORE só pode ser emitido por um profissional contador, com selo DHP. O DECORE tem uma validade de apenas 90 dias, contados a partir da data de emissão.

Por isso, não é uma documentação que se faça a cada pagamento. Deve ser emitido somente em casos onde o sócio precisa de algum comprovante de renda, como para abertura de conta em banco, financiamentos, empréstimos, entre outros.

Confira um modelo de declaração, abaixo:

DECLARAÇÃO COMPROBATÓRIA DE PERCEPÇÃO DE RENDIMENTOS – DECORE

01 – BENEFICIÁRIO

NOME (informar)

CPF (informar)

RG (informar) Órgão Expedidor (informar)

ENDEREÇO (logradouro), nº (informar) – (bairro)

CIDADE (município) – (UF)

02 – RENDIMENTOS COMPROVADOS

NATUREZA (informar, como prestação de serviços, por exemplo)

PERIODO (informar mês e ano)

VALOR R$ X.XXX,XX (por extenso)

DOCUMENTAÇÃO BASE (holerite, pró-labore, etc)

03 – FONTE PAGADORA

NOME (informar)

CNPJ OU CPF (informar)

VINCULAÇÃO (empregado, prestador de serviços, etc)

04 – PROFISSIONAL DECLARANTE

NOME (nome do(a) responsável pela declaração)

CATEGORIA Técnico Contábil

REGISTRO NA CRC (informar)

ORG. CONTABIL (informar)

CAD. CRC: (informar)

05 – DECLARAÇÃO

Declaramos, sob as penas da lei, especialmente das previsões do artigo 298 do Código Penal Brasileiro, nos inicios XX e XXIV do artigo 24 do Estatuto dos Conselhos Regionais de Contabilidade e Resolução CFC nº 825/98, que as informações acima transcritas constituem a expressão da verdade.

Leia também:  Como empreender em tempos de Crise

(município) – (UF), (dia) de (mês) de (ano).

(assinatura)

(nome do(a) beneficiário(a))

(assinatura)

(nome do(a) responsável)

Recibo de Pró-Labore: o que constar

Para todos os pagamentos de pró-labore, você pode ter um recibo, que será assinado pelo sócio administrador, comprovando o recebimento do valor.

Apesar de não ter validade como comprovante de renda, é uma segurança e uma forma de organizar o fluxo dos pagamentos, guardando os recibos como evidências das movimentações financeiras realizadas.

Para o recibo, você deve especificar:

  • data (mês e ano)
  • fonte pagadora (nome da empresa)
  • CNPJ e endereço da empresa
  • favorecido (nome do sócio)
  • CPF e número de inscrição do INSS
  • valor bruto
  • retenção do IR
  • retenção do INSS
  • valor líquido
  • declaração de recebimento, citando o valor líquido por extenso, o mês de referência e o ano
  • cidade e data do recibo
  • assinatura do favorecido

Tributação e encargos sobre Pró-Labore

tributacao e encargos do pro labore
Contrate um contador para não pagar mais encargos do que o necessário.

A tributação do pró-labore pode ser elevada, mesmo não havendo os encargos trabalhistas. Mas, por exemplo, se for combinado entre sócio e empresa, pode haver o pagamento do FGTS do administrador.

Os tributos podem ser elevados com a contribuição previdenciária da pessoa física (11%) e da empresa (20%), além do imposto de renda na fonte com base na tabela progressiva, cuja alíquota pode chegar em 27,5%.

Esse imposto de renda na fonte é calculado com base na tabela abaixo. Confira:

Base de Cálculo (R$)Alíquota (%)Parcela a Deduzir do IR (R$)
Até 1.903,98
De 1.903,99 até 2.826,657,5148,80
De 2.826,66 até 3.751,0515354,80
De 3.751,06 até 4.664,6522,5636,13
Acima de 4.664,6827,5869,36

Por isso, o mais comum é fazer a maior distribuição de lucros possível. Assim somente a empresa paga o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e os sócios não precisam se preocupar com o pagamento do Imposto de Renda de Pessoa Física.

Como registrar o Pró-Labore

O registro do pró-labore é fundamental no processo de remuneração dos sócios. Tudo o que será executado na prática deve estar devidamente redigido no Contrato Social.

Deve estar detalhado o valor a ser pago, atividades a serem executadas pelo sócio e outros detalhes, como, por exemplo, as normas sobre previsão de obrigatoriedade de pagamento de pró-labore aos sócios, periodicidade de distribuição de lucros aos sócios, antecipação de lucros, se os lucros serão pagos de forma proporcional ou desproporcional, entre outros.

Além disso, é importante checar se a contabilidade está regular, para que seja permitida a distribuição de lucros aos sócios, e se a escrituração contábil está registrada junto aos órgãos competentes.

Custos do Pró-Labore

Como vimos anteriormente, o pró-labore não tem grandes custos vinculados, já que a única retenção obrigatória é o INSS, cuja alíquota irá variar de acordo com a modalidade fiscal da empresa.

Além do INSS, pode ter a retenção de IR, de acordo com a tabela já apresentada.

Apesar de serem custos, os impostos aplicados sobre o pró-labore oferecem uma segurança para o sócio, que poderá contar com benefícios como licença maternidade, por exemplo.

As vantagens de contar com o pró-labore na organização financeira da sua empresa é muito mais positiva do que negativa, já que programa os pagamentos – tanto do pró-labora quanto das retenções -, permitindo projeções de caixa que auxiliem na avaliação e análise da saúde financeira do negócio.

Sistema de Gestão Integrada

Automatize as atividades dos departamentos da sua empresa de forma integrada e eficiente

Conheça agora!

TESTE GRÁTIS

Conclusão

pro labore conclusao
O pró-labore é importante para o sócio e para a empresa, além de ser uma obrigação legal.

Não encare o pró-labore como algo ruim para o seu negócio. Apesar de ser uma obrigatoriedade e haver incidência de encargos sobre ele, este documento é importante para a profissionalização do negócio.

O pró-labore pode ser muito positivo para o sócio administrador, que terá o seu trabalho devidamente reconhecido, e para a empresa, que terá uma previsibilidade de custos e evitará que as contas pessoais do gestor se misturem com as da empresa.

Inclusive, esse é um erro que costuma acontecer com frequência, muito mais do que deveria. Muitos empresários esperam o mês fechar, calculam quanto sobrou de lucro e retiram parte desse fluxo de caixa como pagamento.

Essa é uma prática que pode gerar verdadeiros rombos no negócio.

O pró-labore também dá direito a diversos benefícios interessantes. Por exemplo, a aposentadoria pelo INSS, Auxílio Doença, Pensão por morte e Licença Maternidade.

De certa forma, oferece uma segurança para o administrador, que poderá contar com os benefícios assim como qualquer um de seus funcionários.

Além disso, ao contar com um pró-labore, você pode ter seus rendimentos comprovados e facilitar a conquista de sonhos como a troca de carro, financiamento da casa e etc.

Portanto, não deixe de calcular o seu pró-labore e incluir esse custo administrativo na sua contabilidade mensal.

Leia outros textos do nosso blog a seguir:

Tenha total controle das finanças de seu negócio e de maneira integrada entre os setores com o ERP BomControle. Faça um teste grátis!

Envie ou compartilhe este artigo